João,

17a.jpg

a gente costuma dizer que você é um cara bacana.

Nosso jeito de colocar numa pequena caixa o que

jamais caberia em caixa alguma, que é o orgulho

que sentimos. Todo dia, uma surpresa, uma maneira

de questionar, de descobrir, de pensar, de ouvir

e, acima de tudo, uma capacidade incrível –que

a cada dia melhora e que representa tudo isso,

no fundo– de dialogar. Apesar de ser uma criança

e ter os seus raros momentos de explosão, choro,

intransigência, frutos da incompreensão natural

sobre os fatos (afinal de contas você tem 4 anos),

na maior parte das vezes, na maioria absoluta do

tempo, você ouve, pergunta, ouve, fala, ouve, opina.

Faz a informação circular.

Filho, que alegria se isso o acompanhar por toda a vida.

Hoje –e eis a razão desse post, com esse tema e esta foto,

feita na hora exata em que o acontecido que vou narrar

se sucedeu– você olhou a janela (ou pela janela, talvez)

e perguntou:


– Pai, o que é mesmo 'speak low'?


É um segredo, filho. Um segredo que pouquíssima gente sabe.

Que precisamos guardar entre nós, venha cá. E você sentou

bem à minha frente, meio concentrado, meio querendo a resposta

rápida para brincar. É um segredo, deixe eu chegar mais perto, que

você terá que me prometer que vai guardar para toda a vida,

posso sentar aí ao seu lado?, fui caminhando, puxei a cadeira,

guardei a câmera, olhei ao redor fingindo preocupação em ter

alguém nos espionando, não tinha, continuei, um segredo que nós

teremos que guardar para sempre, porque é importante que

'speak low' seja levado a sério em quaisquer ocasiões, sabe?

Seja com amigos, parentes, sua mãe, eu, seus avós e bisavós,

mas principalmente com os desconhecidos. Seja em momentos

bons ou ruins. Seja no trabalho, com um chefe ou com um

outro colega. Seja no celular, seja no restaurante.

É um segredo, filho, que você só poderá contar para outras pessoas

assim, como estou contando nesse exato instante para você.

E contei o que significava.

Ganhei um sorriso e um abraço. Gratuitamente.

Apenas pelo fato de estar ali, tão perto, contando um segredo.

Você é um cara bacana.


Do seu pai,

Pedro.