João,

cientista,

músico,

professor,

advogado,

jardineiro,

biólogo,

pintor,

jornalista,

engenheiro,

dentista,

cozinheiro,

arquiteto,

restaurador,

historiador,

matemático,

mergulhador,

psicólogo,

maquinista,

prático,

bombeiro,

veterinário,

eletricista,

encanador,

pedreiro,

garçom,

designer,

açougueiro,

perfumista,

contador,

fisioterapeuta,

enxadrista,

tradutor,

marceneiro,

filósofo,

detetive,

astronauta,

domador,

livreiro,

químico,

marinheiro,

estilista,

algibebe,

florista,

jogador,

pizzaiolo,

xilógrafo,

urbanista,

pescador,

tatuador,

nadador,

empresário,

carimbador,

velejador,

queijeiro,

fotógrafo,

antropólogo,

maestro,

escritor,

avicultor,

pasteleiro,

não importa a sua escolha.

Importa, apenas, que você escolha uma rede.
Que saiba, desde o início, que ela vai –e volta.
E que nessa viagem, quando o rosto encontrar o vento,
você poderá ir muito mais longe.
Importa, apenas, que você seja capaz de pilotar esse
meio de transporte, o mais poderoso já inventado.
A imaginação. O resto, filho, já tem nome.


Do seu pai,
Pedro.