Irene,

você tem os seus escolhidos, filha. Pode ser precoce afirmar isso, mas a mim parece que teremos, em você, uma daquelas pessoas fiéis aos seus amigos. Coisa rara. Hoje, isso se manifesta da maneira mais linda que há. Com festa. Dia desses, esse dia aí da foto, pouco tempo antes do que está registrado, abrimos a porta – sua mãe, eu e ela. Você viu sua mãe primeiro, correu para abraçá-la. No meio do caminho, me viu chegando também, mudou o percurso e veio em minha direção. Logo ela surgiu, saindo do elevador. Você parou, soltou um grito eufórico, esqueceu de mim (e da sua mãe) e, em linha quase reta, disparou para os braços de uma das suas escolhidas. 
Desde que você nasceu, ela tem sempre um sorriso de flor a postos para quando vocês se encontram – e não importa se o dia não foi tão generoso assim no trabalho, na rua, no metrô, no peito. Das coisas do coração, que ela tanto sofre por ser assim, tão amorosa, de uma não vai sofrer: carência de sobrinhos. João, Teresa e você. Três apaixonados por ela. Três. Por enquanto (vai que a gente se anima mais um pouco).
E lá vem ela. Sandália baixinha. Vestidinho leve. Cabelo solto. Uma bolsa pequena. Lá vem e vem com o sorriso de flor para te dar. E com um amor por você, filha, que não se mede. O amor que é um pano, um manto, lençóis, almofadas e edredons. O amor que é uma tenda montada no meio da sala para você sentir-se protegida, cuidada, amada. Sei lá como cabe naquela bolsinha pequena, essa tenda enorme. Mas ela sempre chega com ela, com a tenda, esse lugarzinho só seu – e dela.
Se estou certo na minha convicção e você vai realmente ser daquelas pessoas que levam a sério a construção das relações, que fazem com que os anos sejam aliados dos seus maiores amores (e não o facílimo caminho contrário, que põe no tempo a culpa do desamor), sua titia terá, em você, uma grande companheira de tenda no futuro. Para quando precisar acampar os sentimentos, respirar o ar puro das casas onde somos bem-vindos, dormir abraçada no conforto carinhoso da sobrinha que é um jardim de sorrisos.

 

Do seu pai,
Pedro.