Filhos,

como nascem os adultos? Por que se aprende a caminhar e não a voar? Por que falar tanto e escutar menos? Por que o olhar para o espelho – e umbigo? Onde se ganha a frieza, onde se perde o afeto gratuito? De onde vem a consciência? E a onisciência? Onde começamos a abandonar os erros como a melhor parte das conquistas? Por onde se esvai a curiosidade? De onde vem o medo do desconhecido? Quem nos faz crer em um deus que não é, simplesmente, o Outro? Quem tenta nos ensinar a nadar sem antes nos apresentar ao mar? Que lugar é esse que prometem tanto, o futuro? Que distância é essa, que nunca chega mais perto, a saudade? Que força é essa que nos rege, a necessidade? Qual a razão (ração) que move um carro? Qual a ração (razão) que move um ódio? O que nos pede devoção? O que nos rouba emoção? O que nos separa dos irmãos? É doença, pandemia, miopia? É fraqueza, malvadeza, avareza? Como nascem os adultos, filhos? Não descubram. Não descubram. Não descubram.

Do seu pai,
P.