João,

João,

nunca aceitei esta cadeira: pai-inspiração. Ser pai de três já é uma tarefa e tanto. Ser inspiração, impossível. Sempre preferi sentar na cadeira do lado oposto, de quem observa ao redor e se inspira nos amigos. Foi assim com tio Joaca, que me trouxe o violão. LulaQ, que fez gostar dos sets de filmagem. Pio, que me apresentou à câmera. Recentemente, com Pablo – ele ainda vai me fazer voltar a estudar música. Olho para o talento do outro e vejo mágica. Isso me inspira. No exemplo do outro, tento me superar, aprender, realizar. Foi assim com seu avô Homero. Quando ele sentava diante da máquina de escrever, algo hipnótico acontecia. E mesmo sem saber exatamente o tamanho da força das palavras dele, aquele momento na redação me marcou. Seu avô era um herói de uma luta ingrata, do jornalismo contra a ignorância, essa arma covarde que os poderosos usam desde a República para manter seu poder. Um pensador. Juntou Platão e Guimarães Rosa e vive repetindo: só sei que nada sei, mas desconfio de muita coisa. Comunista de fé. Justo implacável. Incorruptível. Recusava açúcar na mesa de usineiro para tomar café amargo e continuar lutando. Voltava para a máquina e disparava. Você nunca havia visto uma máquina destas, até semana passada. Observei o seu momento. Cliquei. Pensei se deveria falar sobre o assunto. Eis que no sábado, num restaurante, um cara se aproxima e relembra um texto meu para você, sobre a importância de escovar os dentes. Lucas, o seu nome. Disse que havia se inspirado naquele texto. Essa palavra ficou me massacrando. Inspirar. Inspirei – puxei oxigênio para dentro dos pulmões e pensei na responsabilidade de ser seu pai (e de Irene e de Teresa). E pensei que a gente precisa mesmo deste outro oxigênio. Lucas, obrigado pelo filho que você deve ser. A cada pai que me manda emails, obrigado por dividir angústias e conquistas. A Joaca, Pio, LulaQ, Pablo, obrigado por serem os melhores balões de oxigênio. E a você, João, mais do que a qualquer um, obrigado por me inspirar a inspirar alguém, mesmo que não seja você ou suas irmãs. 

Do seu pai,

Pedro.